O Banco de Leite, uma parceria do Banco do Bebé com a Unidade de Neonatologia da Maternidade Alfredo da Costa, nasceu com uma missão: ajudar as mães que por diversos motivos não conseguem amamentar os seus recém-nascidos.

Este é um projeto único em Portugal e que deu os primeiros passos em 2009. Hoje, estende o seu apoio a todas as Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais da área da Grande Lisboa.

Amamentar: um passo importante no crescimento

O Banco de Leite tem como principais objetivos recolher, processar, controlar e distribuir o leite de dadoras saudáveis. Ajudar é o mote: por esta razão o processo de doação e de distribuição é gratuito. Atualmente, o Banco do Bebé faz a ponte entre as dadoras de leite e a Maternidade Alfredo da Costa.

Mas quais as vantagens? Vários estudos do Centro Hospitalar de Lisboa comprovam que o “Leite Humano Pasteurizado”, (primordialmente utilizado na nutrição de recém-nascidos muito prematuros ou com doenças ao nível do aparelho digestivo) em comparação com o artificial, reduz em 30% o risco de infeções intestinais e em “5 vezes o risco de intolerância alimentar”.

Aliás, como se trata de um alimento completo, natural e muito nutritivo, serve de base aos primeiros meses de vida de um bebé: favorece o desenvolvimento da função respiratória, mastigação, fala e estruturas dentárias; prepara o bebé para a introdução de novos alimentos na sua dieta; é de fácil digestão e por isso facilita o funcionamento intestinal.

Como ser Dadora

Se gostaria de voluntariar-se como dadora de leite materno, verifique se reúne os seguintes critérios:

  • Estar a amamentar o próprio filho há menos de 4 meses e ter excedente de leite;
  • Ser saudável;
  • Não fumadora;
  • Sem hábitos ou comportamentos de risco;
  • Reunir as condições básicas de higiene no domicílio;
  • Ter acesso a um congelador (combinado ou arca);
  • Muito importante: terá de aceitar as regras e procedimentos do Banco de Leite da MAC, que inclui análises periódicas ao sangue.

Tem algumas reservas? Saiba que o critério de seleção é muito rigoroso. Durante o processo as dadoras são entrevistadas por médicos e têm de responder a um questionário para rastreio de doenças. Por sua vez, o processo de colheita também envolve padrões de segurança muito altos: todo o leite que apresente bactérias potencialmente patogénicas ou em quantidade anormal (o leite contém normalmente algumas bactérias inofensivas da pele e dos mamilos das mães), é rejeitado.

Se está decidida a ajudar ou pretende saber mais informações sobre o Banco de Leite Humano da MAC pode entrar contacto com os profissionais que dão a mão a esta causa através do e-mail: bancodeleite@mac.min-saude.pt.