Encontrar atividades para toda a família nem sempre é fácil e todos sabem como as crianças podem ser exigentes na hora de escolher o que fazer durante as férias, por isso é importante descobrir programas divertidos e estimulantes. A pensar nisso, o Palácio Nacional da Ajuda desenvolveu um conjunto de atividades que vão animar as férias dos mais pequenos e que servem também como desculpa para os mais graúdos partirem à descoberta da história!

Atividades para as férias dos mais novos

Entre os meses de Julho e Agosto as crianças entre os quatro e os seis anos podem viajar no tempo enquanto desvendam os segredos da história do palácio. Visitas guiadas, jogos de pistas, caça ao tesouro e muito mais esperam os mais pequenos nestas férias de verão. Uma manhã de diversão garantida no Palácio Nacional da Ajuda tem o preço simbólico de um euro. Para mais informações sobre esta iniciativa, todas as atividades, horários ou outras questões, utilize o e-mail servicoeducativo@pnaajuda.dgpc.pt ou o telefone 21 3637 095.

Uma viagem ao passado para toda a família

Visitar o Palácio Nacional da Ajuda é também um ótimo programa para toda a família. Sabia que o palácio começou por ser uma construção em madeira e por isso ficou conhecido como a “Real Barraca”? Reza a história que foi mandado erigir por D. José depois de o Palácio da Ribeira, antiga residência oficial da família real, ter sido destruído no terramoto de 1755. O susto foi tal que o monarca recusou voltar a viver em edifícios de “pedra e cal”. O edifício original, construído em madeira para melhor resistir a abalos sísmicos, acabou por sucumbir a um incêndio em 1794. No seu lugar acabou por surgir então o atual Palácio Nacional da Ajuda.

Deixe-se deslumbrar pelas várias salas decoradas com as mais sumptuosas obras, artefactos e mobiliário que preencheram os dias de reis e rainhas desde o final do século XVIII até ao princípio do século XX. E, claro, dedique alguns minutos extra à Sala do Corpo Diplomático restaurada com o apoio do Banco Finantia ao abrigo do programa “Uma Sala, Um Mecenas”. Nesta sala encontra os panos de porta do século XVII, bordados na China a ouro e prata com técnica oriental, confiscados aos Távora. O escudo da casa de Bragança substituiu o dos Távora aquando da sua integração nos bens da coroa mas, na parede principal, um dos panos ainda mantém as armas de origem.